quarta-feira, setembro 27, 2006

aqueles

aqueles que têm nome e nos telefonam, um dia emagrecem - partem- deixam-nos dobrados ao abandono no interior duma dor inútil, muda e voraz. arquivamos o amor no abismo do tempo e para lá da pele negra do desgosto, pressentimos vivo o passageiro ardente das areias - o viajante que irradia um cheiro a violetas nocturnas. acendemos então uma labareda nos dedos, acordamos trémulos confusos - a mão queimada junto ao coração. e mais nada se move na centrifugação dos segundos - tudo nos falta. nem a vida, nem o que dela resta, nos consola a ausência fulgura na aurora das manhã, se com o rosto ainda sujo de sono ouvimos o rumor do corpo a encher-se de mágoa. assim guardamos as nuvens breves, os gestos, os invernos, o repouso, a sonolência, o vento, arrastando para longe as imagens difusas, daqueles que amámos e não voltaram a telefonar.
al berto

8 comentários:

Vanda Baltazar disse...

Mudança radical!

Fica-te bem este novo corte de cabelo! :))

...oo os outros para quem deixamos de telefonar...

vai dar tudo ao mesmo.

:) beijos. os mesmos de sempre.

Van

Rosa dos Ventos disse...

Chorei!

Lmatta disse...

Triste mas belo
beijo

António Almeida disse...

eu vou sempre "telecomentando"...

.*.Magia.*. disse...

E se...

hfm disse...

Belíssimo!

Su disse...

van..mudar é preciso.....e os outros.....e nós..... jinhos

rosa dos ventos... entendo.te

lmatta...triste e real.jinho

antonio....q bom saber:))

magia...se...se...se....e......

hfm....tb acho ...belooooo

jocas maradas per tutti

Miss jane disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.