sábado, abril 25, 2009

assim

«(…) estranha revolução esta, que desilude e humilha quem sempre ardentemente a desejou.
A mais imunda vasa humana a vir à tona, as invejas mais sórdidas vingadas, o lugar imerecido e cobiçado tomado de assalto, a retórica balofa a fazer de inteligência.
Mas teimo em crer que apesar de tudo valeu a pena.
Assistir ao descalabro.
Pelo menos não morro iludido, como os que partiram na véspera do terramoto.»
Miguel Torga

4 comentários:

Fernanda disse...

Vale sempre a pena...


Beijo,... com sabor a pura liberdade...

Pedrasnuas disse...

BOA CONJUGAÇAO...O POEMA E A FOTOGRAFIA - ARRASOU!!!

JOCA MARADA

Su disse...

fer; pedras...merci


jocas maradas para ambas

Marta disse...

sublime, querida Su!

bjo