sexta-feira, fevereiro 27, 2009

O GRITO SURDO

foto de Carla Salgueiro


o grito morre na garganta
e cria labirintos no interior da cabeça
cobrindo-se da mudez do silêncio
.
não está na voz o grito
nem nos olhos esbugalhados
da força que por dentro o impele
para a fuga da escuridão imperativa
vinda do breu dos confins das eras
e o aprisiona na gaiola opaca
da surdez
......
JOSÉ ANTÓNIO GONÇALVES

10 comentários:

Alisson da Hora disse...

Sempre havemos de gritar em algum momento de nossas vidas...

linda foto, lindo poema...

beijos!

Vasco Matos disse...

Ora bem! E mais não digo. Grande beijo!

Daniel Aladiah disse...

Querida Su
Tal qual a voz do mudo ensurdecedor...
Um beijo
Daniel

ηatalie αfonseca disse...

Quantas vezes já não gritamos para dentro???!! :)

Adorei! *

Susana Ferreira disse...

Muito interessante esse poema,e é verdade,o grito está na garganta ou na alma,e quantas vezes não apeteceu já gritar.
A imagem também está bonita,muito artistica.
beijinhos

quanto pesa o vento? disse...

uau!
não conhecia este poema.
aprisionamos palavras que nos prendem/ desprendem a alguém ou a alguma coisa.
jocas maradas.

keep your mind open disse...

Lindo poema.
Jocas maradas ;)

Bom Domingo.
Aqui está de chuva...

mfc disse...

Há gritos que temos que dar!

as velas ardem ate ao fim disse...

Saiu em arrepios e sem palavras...num grito mudo!

um bjo

Su disse...

alisson...gritemos.......

vas....não digas......

daniel....em silencio.

natalie...paletes---

susana.. merci:)

quanto pesa o vento...aprisionamos gritos....tantos...

keep.....aqui chove torrencial-mente

mfc...há...

as velas...........entendo



jocas maradas...sempre